“No país de Paulo Freire, não podemos perder a esperança”, diz professor em live do CFP

Por Paloma da Silva Barreto

Como pensar uma escola que articule ciência, arte e cultura em tempos de obscurantismo? Essa pergunta abriu o debate online do ciclo Em Tempos Inéditos, realizado pelo Complexo de Formação de Professores da UFRJ, no dia 2 de julho.

Nesta live, os professores Martha Marandino, da Universidade de São Paulo (USP), e Walter Kohan, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), discorreram sobre o papel da educação em meio à pandemia.

Alfabetização científica em tempos de negacionismo

No atual contexto de crise sanitária, têm-se ampliado os discursos de ataque à ciência e às instituições científicas. “O que a gente vive hoje com relação ao que representa o conhecimento científico para grande parte da população é extremamente desafiador para aqueles que trabalham com ciência, seja na produção ou divulgação”, opinou Martha.

Para a professora da Faculdade de Educação da USP, a pandemia do coronavírus tem mostrado a necessidade de trabalhar a alfabetização científica, tanto na escola como nos espaços de educação não formal.

Esse trabalho educativo passa pela compreensão das diversas facetas da produção do conhecimento científico. “A ciência é sociológica, política, econômica e ideológica”, enfatizou.

Por sua vez, Kohan destacou: “É muito sintomático que neste momento o Brasil não tenha nem ministro da Educação nem ministro da Saúde”.

O professor da Uerj é autor do livro Paulo Freire mais do que nunca, uma biografia filosófica, sobre o mais famoso educador brasileiro. A este importante pensador, Walter recorre para refletir sobre os novos tempos, sem se deixar tomar pelo derrotismo.

“No país de Paulo Freire, não podemos perder a esperança. Esse momento é de pensamento e questionamento. É um momento de perguntas, inclusive a nós mesmos, sobre que ciência fazemos e qual queremos fazer”, completou.

O tempo da educação não é o tempo do mercado

“Há um conflito entre dois tempos. Um tempo é o da arte, da cultura, da educação e do pensamento. Outro é o tempo de uma sociedade preocupada com a produtividade, com o ritmo da economia e do mercado.” Com essa explanação, Kohan fez uma reflexão sobre os conflitos de interesses que envolvem a educação e a ciência na sociedade capitalista.

A partir dessa ideia, os convidados falaram um pouco sobre as dinâmicas de ensino remoto adotadas por escolas e universidades. “As crianças têm dito que sentem saudade dos abraços dos amiguinhos”, comentou a respeito da paralisação das aulas presenciais.

“Há aqueles que acham que esta pandemia acelera o processo de ‘distancialização’ da educação. Na verdade, pode ser o efeito contrário. Estes tempos mostram claramente que as escolas só se fazem quando os corpos se encontram. A pandemia tem mostrado que isso é insubstituível”, completou o professor.

Já Martha relatou que percebeu a angústia dos alunos em não estar com os amigos e com os professores, “inclusive não só do ponto de vista afetivo, mas do ponto de vista do conhecimento”.

A professora acredita na necessidade da inovação na educação para atender às exigências do momento, sem relativizar a importância do encontro físico.

“Eu sou uma entusiasta da criatividade na educação. Mas não há experiência igual à experiência presente, não só na sala de aula como em diferentes contextos educacionais”, ressaltou.

Veja o debate completo com Martha Marandino e Walter Kohan no nosso canal do YouTube 

Além das lives, que acontecem sempre às quintas-feiras, às 17h, o ciclo Em Tempos Inéditos é um conjunto de ações virtuais que inclui depoimentos, entrevistas e fóruns de discussão.

Imagem: Cefortepe: Luiz Carlos Cappellano /Reprodução

2 comentários em ““No país de Paulo Freire, não podemos perder a esperança”, diz professor em live do CFP

  • 10 de junho de 2020 em 23:58
    Permalink

    Prezadxs, sugiro que façam a descrição das imagens para que as informações do site fiquem mais acessíveis.

    Resposta
    • 27 de janeiro de 2021 em 17:02
      Permalink

      Obrigada pelo feedback!

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *