Ideia de escola como “campo vivo de cultura” domina live promovida pela Complexo

Por Vivyane Caldeira 

No dia 16 de julho, foi ao ar a nona live do projeto Em Tempos Inéditos. O debate online também fez parte do Festival de Conhecimento da UFRJ, em comemoração aos 100 anos da universidade. Foi transmitido pelas páginas da Extensão UFRJ e Portal UFRJ, além das páginas do Complexo de Formação de Professores no Facebook e Youtube.

As convidadas foram Celeia Machado, professora aposentada do Colégio de Aplicação (CAp) da UFRJ, e Ana de Medeiros Arnt, professora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que conversaram sobre o tema Escola Pública: uma articulação necessária entre Ciência, Arte e Cultura.

Escola é produtora de arte 

Questionada sobre a abordagem pedagógica da ciência e a pluralidade da escola pública, a professora Ana reafirmou a necessidade de olhar para a diversidade e reconhecer a escola como um “campo vivo de cultura”.

Ela acrescentou que a forma de tratar os estudos científicos se dá em um embate, visto que muitas vezes o professor sabe que oferece conteúdos que não dialogam com a vida do aluno.

Já Celeia criticou a visão de escola apenas como receptora e valorizou-a como produtora de arte e cultura. Ela afirmou que existe uma produção artística constante em sala de aula no coletivo professor-estudante.

“Os jovens, as crianças, eles têm a sua arte, a sua própria forma de expressão, a sua produção”, disse Celeia.

Ana Medeiros falou ainda sobre o projeto de divulgação científica Blogs de Ciência da Unicamp, do qual é coordenadora. Segundo ela, não é uma ação que concorre com a escola, como muitos pensam. O projeto funciona produzindo material extra de trabalho e aproximando o conteúdo de questões sociais e culturais.

Conhecimento é cultura 

Hierarquização de conhecimentos foi um ponto debatido fortemente durante toda a live. Nessa linha, Celeia falou sobre a questão da suposta inferiorização das Artes entre as disciplinas da educação básica.

Ela afirmou que as Artes são o lugar do poético, do lúdico, da risada, da alegria e da criação, concepção que não nega a densidade do conhecimento desse campo.

Celeia frisou também que vivemos um momento de questionamento do artista e sua produção até mesmo fora da escola, embora, contraditoriamente, a procura por produção artística nesse período de isolamento tenha aumentado imensamente.

“Conhecimento é cultura, conhecimento científico ou produzido academicamente é cultura, e as pessoas têm direito a integrar isso em suas vidas”, reafirmou Ana, ao refletir sobre a hierarquia imposta entre os conhecimentos no currículo escolar.

Para assistir ao debate completo, basta acessar o nosso canal do Complexo no Youtube

Assista e interaja em nossas lives toda quinta-feira, às 17h, e acompanhe as páginas do Complexo de Formação de Professores no Facebook, Youtube e Instagram para ficar por dentro de todas as ações do projeto Em Tempos Inéditos.

Imagem: Toninho Tavares/Agência Brasília

2 comentários em “Ideia de escola como “campo vivo de cultura” domina live promovida pela Complexo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *